Terceira edição do Prêmio Inquieto de Jornalismo encerra ano de conquistas

Cerimônia reconheceu os melhores trabalhos produzidos nos últimos dois semestres

O Auditório Master do campus Zona Sul foi palco da terceira edição do Prêmio Inquieto de Jornalismo na noite da última quinta-feira (13/12). O evento, que anualmente reconhece os melhores trabalhos produzidos no curso, neste ano contou com 31 jornalistas gaúchos de veículos, agências e assessorias de comunicação no corpo de jurados, que teve o árduo trabalho de avaliar os mais de 130 trabalhos inscritos nessa edição – um crescimento de 20% na comparação com o prêmio do ano passado.

A trajetória de conquistas da FACS foi relembrada pelo professor e coordenador de Jornalismo e Produção Audiovisual, Leandro Olegário, logo na abertura do evento. Para ele, o sentimento é de missão cumprida. “Não cabe no peito o tamanho do orgulho de ver esse prêmio crescendo. Mas, o mais importante é ver esse olho a olho dos pais, namorados, inquietos, todos vibrando, confraternizando e reconhecendo as produções feitas em sala de aula e saindo felizes num fechamento de um ano que foi extremamente bom para o curso, com mais de vinte premiações”, ressaltou Olegário.

“O prêmio é super importante pois traz o reconhecimento do mercado para a nossa produção, e isso não tem preço. Estou muito feliz, e acho que fecha um ciclo nessa terceira edição, do tamanho da grandiosidade e do engajamento que a gente quer entre o corpo docente e o corpo discente”, completou o coordenador. Assim como Olegário, a presidente da UniRitter, Alessandra Chemello esteve presente no evento, reconhecendo a importância do Prêmio Inquieto e dos bons resultados do Jornalismo.

Após uma emocionante apresentação do Coral Amigos da Esperança, grupo formado por crianças da Escola Municipal Jardim Outeiral, de Viamão, coordenados pelos professores Rosana Kasper e Maurício Machado, o mestre de cerimônia da noite, Oziris Marins – jornalista do Grupo Bandeirantes de Comunicação – deu sequência ao evento e convocou os premiados a subirem ao palco. Entre os finalistas, a sensação era de euforia: a cada nome anunciado, uma multidão de aplausos e gritos de colegas, amigos e familiares ecoava no Auditório Master.

Luísa Meimes, vencedora nas categorias Radiojornalismo – Reportagem e Documentário, veio com a família à cerimônia e destacou a importância de momentos como o Inquieto. “Ganhar prêmios fora da universidade é maravilhoso. Mas ganhar na faculdade é sensacional. A gente vê os professores e nossos pais com os olhos brilhando, não tem palavras”, disse a estudante.

A mãe de Luísa, Cristina Meimes, foi uma das que mais comemorou os kikitos, como são carinhosamente apelidados os troféus, que sua filha levou para casa. Orgulhosa, não a poupou dos seus elogios. “Muito orgulho. Ela é muito dedicada. Desde pequenininha, quando decidiu entrar para a faculdade, sempre escolheu o Jornalismo e sempre lutou pelo que ela quis. Ela é uma guerreira, é merecedora”, destacou.

Outra atração da noite foi o artista portoalegrense Madyer Fraga. Durante as pausas nas premiações, o rapper, que é uma das principais referências do rap no Sul do país, mostrou o seu trabalho com poesias e músicas que promovem reflexões sobre diversas temáticas.

Como é de costume nas edições do Prêmio Inquieto, as produções acadêmicas dos alunos também foram apresentadas ao público. O jornal Unipautas, que, nesta edição, promove uma reflexão que vai desde pequenos deslizes do cotidiano até grandiosas infrações de  leis, sob a supervisão do professor Francisco Amorim, foi distribuído aos presentes no evento junto com a revista Dossiê Investigativo, cuja reflexão sobre o período de ditadura militar foi o norte para a produção dos estudantes, supervisionados pelo professor Matheus Felipe.

“O sentimento é de missão cumprida. A gente entendeu que precisava fazer uma defesa da democracia. Na ditadura, esse prêmio, por exemplo, não existiria. A maior dificuldade para nós foi a de conseguir fotos, histórico e documentos da época. Fizemos o ensaio fotográfico, que foi forte, difícil e arriscado. Vou confessar que tive muito medo de ser vaiado, porque hoje o país está dividido, mas foi muito legal ver todos aplaudindo e isso me deixou muito feliz”, explicou o docente.

O ano mal se encerrou, mas a expectativa por conquistas para o curso em 2019 é muito grande. Olegário destacou que ainda há muitos desafios e projetos à espera dos inquietos no próximo ano, mas vê o futuro com muito otimismo. “A gente quer continuar buscando prêmios, elevando a qualidade acadêmica e botando a bandeira do jornalismo da UniRitter onde a gente estiver”, falou com alegria.

Confira a lista de vencedores do III Prêmio Inquieto de Jornalismo:

ASSESSORIA DE IMPRENSA E COMUNICAÇÃO
1º – PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM COMUNICAÇÃO – Orlando Adriano Moraes
2º – CULTURA LIVRE – Bruna Jordana Rodrigues dos Santos, Amanda Féliu Castilhos da Silva, Deise Soares Freitas, Patricia Gomes Cláudio e Vanessa Nunes Teixeira Schuck
3º – PROJETO ORLA DEBATE O IMPACTO DO PLÁSTICO NA VIDA MARINHA – Lilian Mendes Pires

FOTOJORNALISMO
1º – FOTOS PARA A ONG SÓ BEBÊ – Adriana Jussara Costa Silveira Michelon
2º – PROTESTOS 2018: #ELENÃO – Luana de Oliveira
3º – JUVENTUDE ENCARCERADA – Bruna Jordana Rodrigues dos Santos

JORNALISMO IMPRESSO
1º – ENGANADOS POR UM SONHO – Luana de Oliveira
2º – SEM DIREITO A TROCAR DE NOME – Pâmela Bassualdo da Silva
3º – A ERA DO FAKE NEWS – Alessandra Kominkiewicz, Danrley Nogueira Passos, Jocelias Costa e Matheus Lourenço

JORNALISMO IMPRESSO – REVISTA
1º – REVISTA DOSSIÊ INVESTIGATIVO: AQUI EMBAIXO AS LEIS SÃO DIFERENTES – Daniel Fagundes e Karine Pinheiro
2º – UNS SÃO MAIS IGUAIS QUE OUTROS – Orestes de Andrade Jr.
3º – COMO AS MULHERES RICAS ABORTAM – Évilin Matos, Bruna Padilha e Isabelle Silva

PESQUISA EM JORNALISMO
1º – DISCURSO FEMINISTA NA REVISTA DONNA SOB O CONCEITO DA APROPRIAÇÃO – Évilin Thaoane de Matos Campos
2º – PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM COMUNICAÇÃO: UMA PROPOSTA DE VISIBILIDADE E RELACIONAMENTO MIDIÁTICO PARA A PRÉ-CAMPANHA AO LEGISLATIVO GAÚCHO – Orlando Adriano Moraes
3º – FORA DO ESTÚDIO: DESAFIOS E PRÁTICAS DA COBERTURA JORNALÍSTICA NA WEBRÁDIO UNIVERSITÁRIA (INTERCOM SUL 2018) – Daniel da Silveira Fagundes

JORNALISMO DIGITAL
1º – JUVENTUDE ENCARCERADA – Bruna Jordana Rodrigues dos Santos e Paula Chidiac Schuster
2º – A FILA INVISÍVEL DA MORTE – Alice da Silva Fortes e Ana Cristina Hoffmann Azeredo
3º – A CADA 18H UMA MULHER É ABUSADA EM CASAS NOTURNAS DA CAPITAL – Kizzy Morais

JORNALISMO DIGITAL – REPORTAGEM ESPECIAL
1º – POR QUE O TRANSPORTE PÚBLICO DE PORTO ALEGRE ESTÁ EM CRISE? – Jean Barbosa Costa, Rafael Acosta Martins e Alberi Neto
2º – SUICÍDIO: O PESO DE UMA CULPA PESSOAL – Willian Machado Cardoso, Camilla Swider Ferreira e Rafael Costa da Rosa
3º – A RUA É A MINHA CASA – Ana Carolina Oliveira Pinheiro

RADIOJORNALISMO – PROGRAMA
1º – START! – Tainá Flores da Silva, Tainá Antunes Fontella, Victória Regina Alfama, Luana Meireles Carvalho, Arthur Rodrigues da Silva, Helena Mendes Ribeiro e Andreza Silveira Ferraz
2º – CADEIRA GRE-NAL – Danrley Nogueira, Matheus Suminski, Leonardo Bartz e Juan Link
3º – CONEXÃO UNIRITTER – Aline Luísa Bisol, Cristine Fogliati, Alberi Neto, Rafael Acosta Martins e Ulisses Miranda

RADIOJORNALISMO – REPORTAGEM
1º – 30 ANOS: O PRECONCEITO QUE MATA – Luísa Meimes
2º – O SILÊNCIO QUE NÃO DÁ CERTO – Danrley Nogueira e Sarah Coproscki Acosta
3º – DESMISTIFICANDO A DEPRESSÃO NA ADOLESCÊNCIA: DA BANALIZAÇÃO AO TABU – Ana Paula Gomes Lima, Brunna Lima de Oliveira, Nathalia Homem Kerkhoven e Matheus Dias Lourenço

TELEJORNALISMO – PROGRAMA
1º – O JOGO DA VIDA – Lucas Bubols
2º – UNITJ ZS NOITE – Ariel Aires, Jaqueline da Silva Moura, Andrey da Rocha, Brenda Aurelio, Tainara Fazenda, Matheus Lourenço, Adriano Bazzo e Natalia Silveira
3º – DROPS COM IRLANDA GOMES – Jean Barbosa Costa, Karine Fernandes Pinheiro, Larissa Caetano Mascolo, Lorenzo Trierveler Albella, Luka Pumes da Silva, Osmar Martins e Matheus Closs

TELEJORNALISMO – REPORTAGEM
1º – OS SONHOS DA PROSTITUIÇÃO – Brunna Oliveira, Kizzy Morais, Ana Paula Lima, Andreza Silveira Ferraz, Emerson Garcia e Cristian Dieckov
2º – SONHADORES DE RUA – Letícia Szczesny da Silva, Vinícius Chagas Moura, Gabriel Alves e Eduardo Pedroso
3º – A PRAGA É O VENENO – Ana Hoffmann, Bruna Jordana dos Santos, Giovana Moraes, Letícia Anele e Luana Meireles

DOCUMENTÁRIO
1º – DO OUTRO LADO DO BALCÃO – Jennyfer Siqueira, Guilherme Klafke, Daniel Fagundes e Luísa Meimes
2º – NÃO SOMOS O DIABO, MAS TEMOS A CHAVE DO INFERNO – Giordana Cesari Cunha e Mariana de Andrade Dornelles
3º – INFLUENCIADORES NÃO DIGITAIS – Tainá Flores da Silva, Tainá Antunes Fontella e Amanda Domingues Rossato

Este slideshow necessita de JavaScript.