Sessão de cinema acessível coloca a inclusão em pauta na UniRitter

Evento foi organizado por alunos de Administração e contou com o apoio do curso de Cinema

Na noite de 27/06, o auditório master do campus Zona Sul recebeu uma sessão de cinema diferente. Com o objetivo de estimular a sensibilidade social, os alunos do curso de Administração organizaram a exibição do filme “O Tempo e o Vento” (2013) com audiodescrição. A iniciativa teve o apoio do curso de Cinema e reuniu alunos, professores e convidados.

Os espectadores assistiram ao filme com os olhos vendados e utilizando a ferramenta da audiodescrição. Assim, puderam se sentir como os deficientes visuais se sentem diante de um conteúdo audiovisual. Além disso, tiveram a oportunidade de despertar a imaginação por meio da narração feita com riqueza de detalhes dos ambientes, ações e sentimentos.

O evento, que uniu diferenças no mesmo ambiente valorizando acessibilidade e arte, também contou com a participação de deficientes visuais e auditivos. Rafael Martins, que possui deficiência visual, ressaltou a importância de iniciativas como essa. “Quando a gente vem em uma sala de cinema onde todos os alunos estão analisando as ferramentas apresentadas para os deficientes eles verificam a possibilidade de replicar esse modelo em algum meio de trabalho que eles vão estar inseridos”, afirmou.

A sessão contou com a presença de Sidnei Schames, da empresa Som da Luz, que trabalha com ferramentas de acessibilidade audiovisual para deficientes. Ele ressaltou a importância do aprimoramento dos recursos e contou que a audiodescrição é muito apreciada também por pessoas que não têm deficiência. “No festival de cinema acessível o diretor Jorge Furtado assistiu a um filme que ele dirigiu e falou que tinham detalhes que ele não tinha notado”, exemplificou. Sidnei também falou sobre a utilização da ferramenta em filmes para crianças, como Malévola, Meu Malvado Favorito, Frozen e Universidade de Monstros.

O festival de cinema acessível foi realizado em 2015 e em 2016 no Rio Grande do Sul. A Som da Luz contou com o apoio do Banrisul para promover o evento. Gerente corporativo do banco, Márcio Kaiser também participou da sessão de cinema acessível na UniRitter e destacou a emoção das pessoas ao assistir os filmes durante o festival. “Eu lembro que, em Pelotas, em uma dessas exibições, quando o Sidnei citou o preparo do filme Malévola, uma senhora começou a vibrar pela oportunidade de poder viver o filme”, afirmou.

Alunos de Introdução à Administração, Ana Viana, Vitor Garcia e Gabriel Marcolino, responsáveis por promover a iniciativa, escolheram o projeto com o objetivo de conscientizar sobre a inclusão social. Ministrada pela professora Lia Hallwess, a disciplina pretende estimular os estudantes a desassociar a administração à ideia de um trabalho feito somente no escritório. “A ideia da disciplina é o desafio à conscientização. A inclusão é muito importante. Uma coisa tão simples como ir ao cinema pode ser muito difícil para deficientes, e é importante que dentro das empresas a gente possa contar com os recursos de acessibilidade”, destacou Lia.

Para exibição do filme, o auditório da UniRitter se tornou uma verdadeira sala de cinema, com direito à distribuição de pipoca. Após a sessão ocorreu um bate-papo com o público, que destacou as impressões sobre a experiência.