Professor palestra em evento de prevenção ao bullying nas escolas

Francisco Amorim participou do evento realizado quarta-feira (28/11) no auditório do Palácio da Polícia 

Na manhã da quarta-feira (28/11), foi lançado o filme “Fiz-me respeitar”, produzido pelo Projeto Cinema na Escola no colégio estadual Gomes Carneiro, localizado na Vila Ipiranga. O evento ocorreu no auditório do Palácio da Polícia e contou com a presença doutor em Sociologia e professor de Jornalismo da UniRitter, Francisco Amorim, que falou sobre formas de prevenção à violência nas escolas. Também participaram a coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude, Denise Vilella; o chefe de Polícia, Emerson Wendt; a diretora do Departamento Estadual da Criança e do Adolescente (Deca), delegada Adriana Regina da Costa; o cineasta e diretor do Projeto, Ricardo Fagundes; a diretora da escola Gomes Carneiro, Suzana de Souza; e as representantes do governo do Estado, Sílvia Coccaro de Souza e Maria da Graça Gomes Paiva.

Produzido com o apoio do Ministério Público e da Polícia Civil, o filme retrata situações envolvendo bullying no ambiente escolar e estratégias para vencer o problema. Mostra, ainda, o programa Papo de Responsa, em que policiais civis vão às escolas conversar com crianças e adolescentes sobre a prevenção à violência e o fortalecimento da cultura da paz. Roteiro, trilha sonora e interpretação ficaram a cargo dos próprios estudantes da escola e da equipe de professores. O curta-metragem, de 15 minutos, foi desenvolvido em regime de oficinas com os estudantes.

Na abertura do evento, Denise Vilella frisou que o combate à violência escolar só faz sentido quando os alunos são abordados desde o início do desenvolvimento do trabalho. “A formação de parcerias e o fortalecimento das redes são o caminho para uma sociedade melhor”, pontuou. A opinião foi endossada pelo professor da UniRitter. “Projetos que tenham como estratégia a aproximação das instituições à comunidade, como o Papo de Responsa, são fundamentais, pois pontes importantes se estabelecem a partir disso. Ao eleger a escola como cenário, propostas de prevenção tendem a reduzir a violência não apenas em curto, mas a longo prazo”, disse.