Professor apresenta longa na América Latina e América Central

Diretor de “Raia 4”, Emiliano Cunha divulgou o filme na Colômbia, no Panamá e no Uruguai 

Texto | Mateus Luz 
Fotos | Tuane Eggers e Edu Rabin

O professor de Produção Audiovisual da Faculdade de Comunicação Social da UniRitter, Emiliano Cunha, esteve na Colômbia, no Panamá e no Uruguai para participar de festivais de cinema com o seu mais recente trabalho, o longa-metragem “Raia 4”, que conta com realização da produtora Ausgang. Emiliano, que está na reta final das filmagens de uma série chamada “A Bênção”, conversou com a reportagem da Agência INQ sobre os seus projetos.

Em quais projetos você está trabalhando no momento?
No momento, estou trabalhando em três projetos simultâneos. Estou na parte de pós-produção de “A Bênção”, que é uma série de ficção com oito episódios de 52 minutos para o Canal Brasil e que vai ao ar provavelmente em 2020. Estivemos no Festival de Cartagena para estrear o “Raia 4”, que é um longa-metragem, e no Festival do Panamá, que vem crescendo bastante.

Em relação à série, você poderia nos falar um pouco sobre ela? 
Fala sobre uma droga que tira o “medo da morte” das pessoas, onde elas passam a encarar a vida como se não houvesse temor à morte. Vamos acompanhar os efeitos em alguns pacientes e a saída da droga do laboratório. Eu sou coprodutor e diretor, os criadores são o Leo Garcia e Frederico Ruas.

E o Raia 4, o que aborda?
Eu fui nadador competitivo dos meus 8 aos 20 anos de idade, então ele recria algumas das minhas vivências. Conta a história da Amanda, uma menina pré-adolescente na transição para vida adulta que tem que lidar com a pressão familiar, o esporte de alto rendimento e a descobertas da sexualidade. É um drama que flerta muito com suspense.

E quanto à estreia, já tem algo previsto?
Depende muito da nossa estreia brasileira. Se for no primeiro semestre, antecipamos a estreia comercial para o segundo semestre. Se for no segundo semestre, fica para o ano que vem.