Leandro Olegário, um verdadeiro inquieto

Com uma trajetória recheada de reviravoltas, o coordenador do Jornalismo e do Cinema, Leandro Olegário, não abre mão do otimismo para enfrentar todos os desafios a que se propõe

A frase “Eu vejo a vida melhor no futuro”, da música “Tempos Modernos”, caracteriza a personalidade e o otimismo de Leandro Olegário dos Santos perante os desafios da vida. Mestre em comunicação social pela PUCRS, jornalista, coordenador dos cursos de Jornalismo e Cinema da UniRitter, Olegário obtém o título de verdadeiro “inquieto”. Com mais de uma década de experiência no mercado, acumula no currículo prêmios importantes como o Press e RBS de Jornalismo, um livro e diversas coberturas jornalísticas.

Nascido em Porto Alegre, Olegário desde pequeno praticava o exercício da comunicação imitando os jornalistas na televisão. Nos tempos de Colégio Militar, a participação no Grêmio Estudantil, na organização de eventos e nos cerimoniais deixou clara a fixação da comunicação na sua vida. Na oitava série, após o lançamento de um concurso da Rádio Guaíba para acompanhar uma jornada esportiva, Leandro, que ouvia e gostava de esportes, ganhou o concurso e ficou um final de semana acompanhando o exercício da profissão de perto. A partir daquele instante, ele decidiu que queria trabalhar com jornalismo.

Olegário durante a cobertura do acidente com o avião da TAM em 2007

Faculdade

Em 2001 ele entrou na faculdade de Jornalismo na PUCRS e fez o curso de radialista na Fundação Educacional Padre Landell de Moura (Feplam), com intuito de se capacitar ainda mais. Com as experiências na vida acadêmica, Olegário mandou currículo para os veículos de comunicação após a virada de semestre. Em 2002, a Bandeirantes abriu processo seletivo e, entre 20 candidatos, ele foi selecionado e foi para o “ar” pela primeira vez no programa Band Repórter em abril daquele ano. Após esse período, em 2004, Leandro foi para a Rádio Web; depois para a Rádio Gaúcha, onde ficou até 2005; e, após a formatura, naquele mesmo ano, voltou a trabalhar na Band para ser efetivado. Entre 2006 e 2008, ele ainda conquistaria o título de mestre na PUCRS com a dissertação “A metamorfose da síntese noticiosa no rádio” – o texto serviria de base para um grande sonho que se tornaria realidade num futuro próximo.

Durante a passagem pela Band, Olegário participou de coberturas marcantes, como a Missão de Paz da ONU em Porto Príncipe, no Haiti

Carreira no jornalismo

No início da etapa profissional de Olegário, o desafio era participar do projeto da Rádio Band News FM, que estava chegando a Porto Alegre. Em dezembro de 2005, a carreira deu uma reviravolta na vida do jornalista, que viu a oportunidade de estrear na televisão. Assim, além das reportagens para os jornais, ele apresentou o programa Lado a Lado. Na sua passagem pela emissora, Olegário cobriu matérias importantes como o acompanhamento das Forças da Paz da ONU em Porto Príncipe, no Haiti, o acidente com o avião da TAM e o Carnaval de Salvador, todas em 2007. Em 2008, Olegário ficou seis meses no Canal Rural; depois foi para a Record, onde ficou até 2012; e de 2012 até 2015 ele foi trabalhar na Fundação Piratini, realizando reportagens especiais como a cobertura da Copa do Mundo de 2014 e apresentando programas jornalísticos. A passagem pela emissora marcou a última fase do jornalista antes de se dedicar a vida acadêmica.

Vida de professor e coordenador

Em 2012, o jornalista viu a oportunidade de se inscrever na seleção de professores para o curso de jornalismo na UniRitter, que estava iniciando naquele ano. A partir da seleção, ele foi chamado e teve sua primeira turma na cadeira de CTPJ – Conceitos, Técnicas e Práticas Jornalísticas. Com isso, a participação do agora professor dentro da UniRitter aumentou ainda mais com a supervisão do laboratório de televisão; com a coordenação setorial de ensino do curso e depois com a coordenação de Jornalismo e de Cinema da FACS. “Foi muito gratificante ver os resultados ao longo dos anos”, salienta.

Olegário autografou o livro Radiojornalismo e Síntese Noticiosa na Feira do Livro de Porto Alegre em novembro de 2016

Livro

Aquela mesma dissertação mencionada antes é retomada neste momento. Um dos grandes sonhos almejados por Olegário foi realizado em 2016: o lançamento do livro “Radiojornalismo e a Síntese Noticiosa”. O jornalista tirou o texto da gaveta e o publicou para ser uma importante fonte de pesquisa de pessoas que gostam do rádio e de estudantes de comunicação.

Futuro

Mesmo com a realização de grandes coberturas jornalísticas, o lançamento do livro e demais planos, Olegário agora foca completamente no doutorado em Comunicação Social na PUCRS e em garantir mais oportunidades dentro da coordenação dos cursos da UniRitter. A capacidade de se relacionar com as pessoas e o otimismo que enxerga dentro daquilo que se propõe a fazer o auxiliam nas etapas que precisa concluir. “Talvez isso me ajude a pagar todos os cafés que estou devendo para as pessoas dentro da faculdade”, finaliza, aos risos.

Confira imagens da carreira de Leandro Olegário:

Este slideshow necessita de JavaScript.

RAIO-X
Nome completo: Leandro Olegário dos Santos
Data de nascimento:
30/11
Onde nasceu:
Porto Alegre
Em que ano e onde se formou em Jornalismo: 
Em 2005/1, na PUCRS
Em que ano concluiu o Mestrado:
2008
Dissertação de Mestrado: A metamorfose da síntese noticiosa no rádio : estudo de caso em emissoras de Porto Alegre
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/3399595632768876
Onde já trabalhou:
Band AM, BandNews FM, Band TV, Agência Radioweb, Canal Rural, Rádio Gaúcha, TV Record, TVE, Media Comunicação e UniRitter
Em que ano ingressou na FACS:
2012
Prêmios conquistados:

2017: Láurea Excelsa, Centro Universitário Ritter dos Reis.
2015: II lugar – Projeto Multidisciplinar de Inovação – Desafio 24h Innov’, Associação Les Doctoriales Brasil.
2013: Finalista Prêmio Sebrae de Jornalismo – categoria Telejornalismo/RS, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae.
2013: Finalista Prêmio ARI de Jornalismo – Categoria Telejornalismo, Associação Riograndense de Imprensa.
2012: Primeiro lugar – Prêmio Press – Repórter de Televisão, Revista Press e Associação Riograndense de Imprensa.
2012: Segundo lugar – Prêmio Ministério Público/RS de Jornalismo – Televisão, Ministério Público do Rio Grande do Sul.
2010: Primeiro lugar – Operação Golfinho – Categoria Telejornalismo, Brigada Militar e Associação Riograndense de Imprensa.
2008: Primeiro lugar – Operação Golfinho – Categoria Telejornalismo, Brigada Militar e Associação Riograndense de Imprensa.
2008: Prêmio RBS de Jornalismo 2008 – Categoria Telejornalismo/Formato – Projeto Na Estrada, Grupo Rede Brasil Sul.
2006: Primeiro lugar – Prêmio Massey Ferguson de Radiojornalismo, Massey Ferguson.
2005: Finalista – Prêmio Ayrton Senna de Jornalismo – Rádio, Instituto Ayrton Senna.
2002: Primeiro lugar – Categoria Radioweb – Radiofam, 15° Set Universitário/FAMECOS – PUCRS.
Qual foi o principal momento como jornalista?
Cobertura da Missão de Paz do Exército Brasileiro no Haiti e a conquista do prêmio Press 2012.
Uma frase:
Pessoas apaixonadas são pessoas apaixonantes.
Um filme:
Antes da Meia-Noite (trilogia)
Uma viagem:
Londres
Uma comida:
Pizza
Um sonho:
Ser pai
O que mais gosta de fazer nas horas de folga:
dormir
Ser professor na FACS é…
uma aventura fascinante guiada por pincel atômico, transformações e sonhos.