Geração Dux lança edição 2018 com palestra de ex-ministro da Educação

Renato Janine Ribeiro esteve no evento que ocorreu dia 10 de maio no campus Fapa

A 3ª edição do projeto Geração Dux foi lançada oficialmente no dia 10 de maio, no auditório 6 do campus Fapa, com a presença do ex-ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro. Promovida pela Fundação Gerações desde 2016, a iniciativa é fruto de uma parceria com instituições como CIEE RS, UniRitter e Instituto Jama. O programa foca na formação de jovens líderes que tenham sensibilidade e interesse pelas causas sociais. Estiveram presentes no lançamento da edição 2018 o diretor do CIEE RS, Cláudio Bins; a executiva do Instituto Jama, Janaína Alduino; o reitor da UniRitter, Germano Schwartz; e o presidente da Fundação Gerações, Leo Voigt.

Reflexões sobre a construção do Brasil

Durante a palestra assuntos como a agenda para a democracia brasileira e a crise do diálogo foram abordados pelo professor da Universidade de São Paulo e ex-ministro Janine Ribeiro. Ele trouxe sua experiência na política e falou sobre o papel de novas lideranças.  “Embora tenhamos anos de experiência, ainda não sabemos o que fazer. É nesse momento que vocês entram”, disse aos alunos que fazem parte do Geração Dux.

Ribeiro também lembrou o quanto acredita no trabalho desenvolvido pelas organizações sem fins lucrativos – não apenas pelo benefício que as ONGs levam para quem as utiliza, mas também pela missão de quem executa suas funções, sem responsabilizar instituições. “No momento que as pessoas estão nessas tarefas, elas estão arregaçando as mangas e procurando melhorar a sociedade brasileira”, afirmou. Apesar disso, na visão do ex-ministro, o Estado é responsável por políticas públicas. Ainda durante o evento, Ribeiro explicou o motivo de a política não obter os resultados que a população espera. “O Brasil não é um fracasso de políticas sociais, é uma história de êxito de políticas anti sociais”, falou.

Os incentivadores na formação dos futuros líderes

Desenvolvendo a área de gestão escolar e aprimorando a formação de professores, o Instituto Jama tem a missão de fomentar a formação de jovens para trabalhar no empreendedorismo dos problemas sociais.  Segundo a executiva do instituto, Janaina Alduino, este trabalho “garante para o futuro jovens mais atuantes, envolvidos com causas sociais e lutando para que a gente viva numa sociedade melhor”.

A Fundação Gerações busca formar lideranças futuras, que inspirem a sociedade a ter um futuro melhor. Procura, ainda, a mudança através do desenvolvimento de jovens preocupados com o coletivo, agregando valores que beneficiem o todo. De acordo com o presidente da fundação, Leo Voigt, o Programa Geração Dux acontece num momento em que o país passa por uma situação delicada. “O Brasil faz um esforço para sair de uma crise e o Rio Grande do Sul não dá sinais de que irá sair dessa crise”, afirmou.

Um grande objetivo do Geração Dux é de que os líderes formados possam ocupar lugares nas organizações, criando esperança para sair desse cenário difícil. “Quem vê esses jovens reunidos, observando o talento junto da energia que eles somam, faz com que a esperança deixe de ser utópica e tenha contornos de sonho realizado”, disse Voigt.

O projeto e expectativa dos Duxers

O Geração Dux é um trabalho coletivo desenvolvido com a professora Camila Morales, da coordenação do projeto na UniRitter; Karine Ruy, da coordenação da Fundação Gerações; e a pedagoga Ana Lúcia Maciel. De acordo com a pedagoga, a cada ano o programa leva intelectuais brasileiros que possam contribuir com a expansão do conhecimento dos alunos. “Buscamos identificar esses convidados com a universidade e sociedade, diversificando esses instrutores que possuem um acúmulo teórico, tenham uma experiência profissional que possa ser compartilhada com esses jovens”, explicou Ana Lúcia.

A novidade desta edição é que os Duxers – como são chamados os participantes do Geração Dux – terão uma viagem internacional que será feita no mês de setembro para participar do Encontro Iberoamericano da Sociedade Civil. Assim, os participantes podem encontrar outros jovens de toda Iberoamérica, região formada por 22 países em que o português e o espanhol são os idiomas predominantes.

O projeto possui uma coordenação pedagógica alinhada aos objetivos do seu desenvolvimento, com organização dos módulos, escolha dos instrutores, dinâmicas e visitas realizadas pelos Duxers durante o processo de formação. Ao fim de cada módulo, utiliza em suas avaliações um feedback que traz o resultado de cada participante.

A parceria da UniRitter com a Fundação Gerações nasceu em 2017, quando as instituições estavam com seus propósitos alinhados, como explicou a coordenadora do projeto na UniRitter. “Essa parceria proporciona troca entre as instituições, encontros como a abertura do evento na UniRitter e também disponibiliza para os alunos da faculdade cinco vagas dentro do Projeto Geração Dux”, disse Camila. A coordenadora tem o papel de fortalecer os laços entre a parceria, desempenhando diversas funções junto à UniRitter e Fundação Gerações. “Os participantes são pessoas que possuem um olhar muito sensível pelas causas sociais e fazer parte dessa rede de jovens traz um enorme conhecimento, desenvolvendo competências de lideranças”, afirmou.

Alguns alunos do centro universitário foram selecionados para participar do projeto. O incentivo partiu da sala de aula e também de laços de amizade dos participantes. Aluna de Psicologia, Tatiane Paulus, 23, já passou por outras iniciativas, nos quais foi protagonista, e conta suas expectativas em relação ao Geração Dux. “É um lugar onde eu posso explorar, desenvolvendo habilidades e descobrindo outras que a gente ainda não tem”, disse.

Já no primeiro encontro os alunos encontraram nos colegas a mesma vontade de fazer a diferença. Também aluna de Psicologia, Ellen Godoflite, 25, relatou que a vontade de mudar a sociedade foi o que a instigou a fazer parte do projeto. “Me interessei por conta de coisas incorretas que percebia na sociedade ou algo que poderia mudar. Me identifiquei muito (com o projeto), mesmo já participando de alguns outros projetos sociais”, falou. Ellen também destacou que já havia realizado na faculdade um projeto para o desenvolvimento de jovens com vulnerabilidade social e percebeu que é preciso unir forças para seguir em frente com o Geração Dux.

Mesmo com ideias diferentes é possível enxergar o brilho nos olhos dos Duxers desde o início do projeto. Todos têm grandes expectativas. Universitário do curso de Marketing, Felipe Fernandes, 27, está em uma nova etapa na sua vida profissional e espera que fazer parte do projeto o auxilie neste processo. “O projeto irá me ajudar a crescer profissionalmente e pessoalmente nesse momento em que ganhei uma promoção onde trabalho”, disse.

Este slideshow necessita de JavaScript.