Francisco dos Santos, um publicitário amante da arte e do teatro

Natural de Ijuí, Chico, como é conhecido, sempre mostrou, desde pequeno, talento para a comunicação

“Ser professor também é atuar. A sala de aula é meu palco”, confessa Francisco dos Santos, professor e coordenador do Núcleo de Publicidade e Propaganda da INQ, a agência experimental de comunicação da UniRitter. O menino que nasceu em Ijuí já sinalizava, desde pequeno, o talento para entender os processos de comunicação. Ainda menino, observava o comportamento e as demandas dos clientes no restaurante do seu pai e procurava atendê-los com dedicação para que retornassem.

Na escola, participava da banda marcial, das aulas de teatro e de todas atividades propostas, sempre como mediador. O gosto pelas relações pessoais o tornou um jovem engajado. Logo que entrou no curso de Publicidade & Propaganda da UFRGS, em 2006, iniciou um estágio na ONG IBEM – Instituto do Bem-Estar – onde até hoje mantém vínculos profissionais. Também foi estagiário dos Correios onde teve, como primeira função, separar brinquedos para a campanha de Natal. Nessas experiências tocantes percebeu o desafio de humanizar a publicidade.

Faculdade

Apesar de estudar e já trabalhar na área, Francisco conta que passou por uma crise comum a todo estudante: conciliar a teoria, a prática e as mudanças do mercado. Morando em Porto Alegre, habituou-se a ser um questionador e investigador dos temas que lhe causavam curiosidade – a convivência com os amigos, a maioria jornalistas, ajudou nesse processo. Foi aí que tornou-se voluntário no grupo de estudos Imaginalis, sobre Comunicação e Imaginário, com temas focados em sua dimensão arquetípica, mítica, simbólica. A partir desse mergulho reflexivo visualiza a publicidade de forma diferente: “É um curso generalista. Em breve a publicidade vai se extinguir”, sentencia.

Mas isso não faz de Francisco um pessimista. As quase duas horas de entrevista revelaram um entusiasta da comunicação. Ele aposta em novas perspectivas, voltadas para a ecologia e sustentabilidade, e acredita que o ser humano precisa conectar-se consigo para que os processos sociais façam sentido efetivamente. Suas vivências transdisciplinares garantiram que seu estágio na agência Vento, que atua com comunicação integrada, se tornasse um emprego de quatro anos, de onde só saiu para dedicar-se ao mestrado e a docência.

Planos

Francisco garante que está no auge de tudo que planejou, mas ainda anseia pela arte. Além de dar aula na FACS, ele pretende manter clientes na área cultural e se orgulha de produzir peças que divulguem a cultura. A dedicação com os alunos, com quem mantém uma relação amigável e inspiradora, é compartilhada com os estudos do Doutorado em Comunicação e Informação na UFRGS. “Aprofundar os conhecimentos no imaginário e vislumbrar toda sua influência no nosso comportamento me fez rever muitos valores. É um crescimento pessoal e profissional”, orgulha-se.

Este slideshow necessita de JavaScript.

RAIO-X

Nome completo: Francisco dos Santos
Data de nascimento: 10/12/1987
Onde nasceu: Ijuí-RS
Em que ano e onde se formou em Publicidade e Propaganda: Em 2011/1, na UFRGS
Dissertação de Mestrado: Sustentabilidade ambiental na propaganda: das imagens aos mitos na comunicação persuasiva
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/8781454775111067
Onde já trabalhou: Instituto do Bem-Estar (auxiliar de Marketing, em 2007); Assessoria de Comunicação dos Correios (estagiário, de 2007 a 2008); e Vento Comunicação Integrada (diretor de arte, de 2008 a 2012)
Em que ano ingressou na FACS: em 2015, mas já fui professor do Curso Técnico em Comunicação Visual (Pronatec) em 2014
Prêmios conquistados: Paraninfo do Curso Técnico em Comunicação Visual (Pronatec); 2º Lugar – Ensino Médio – Concurso Regional de Leitura em Língua Alemã (RS), Associação Riograndense de Professores de Alemão (ARPA), em 2005.
Qual foi o principal momento como publicitário? São vários! Lembro quando vi o primeiro anúncio que criei no seu local de veiculação – era um anúncio de jornal, que mantenho guardado até hoje. O principal talvez foi a participação, de 2010 a 2014, da organização do Festival Internacional de Tango de Porto Alegre, projeto no qual atuei como profissional de Planejamento, Criação e Produção.
Uma frase: “A imaginação é mais importante que o conhecimento”, de Albert Einstein.
Um filme: “Dogville”, de Lars Von Trier
Uma viagem: para o Rio de Janeiro, uma vez por ano, pelo menos.
Uma comida: Lasanha, como bom herdeiro de família italiana.
Um sonho: ser artista ou trabalhar com arte – quero conciliar minha carreira docente com uma carreira artística.
O que mais gosta de fazer nas horas de folga: ficar com a família, barzinho com amigos, assistir a filmes e séries.
Ser professor na FACS é… ser inquieto, acima de tudo. Isso quer dizer que temos que estar sempre em movimento, sempre questionando o senso comum e exercendo a criatividade.