Detentas concluem curso promovido por projetos de extensão da UniRitter

Sarau na Penitenciária Feminina Madre Pelletier marcou a entrega dos certificados de conclusão

TEXTO E FOTOS | Luísa Meimes e Jennyfer Siqueira

‘Mulheres unidas!’: era o que estava estampado em um dos cartazes colados nas paredes do auditório central da Penitenciária Feminina Madre Pelletier, em Porto Alegre, na sexta-feira, dia 17 de agosto. Na sala, cadeiras empoeiradas esperavam a entrada das mulheres que, sob a tutela de uma agente penitenciária, entravam, uma a uma, no espaço. Ao fundo da sala, perto do palanque de madeira, voluntários dos projetos de extensão da UniRitter recebiam as presas com um sorriso no rosto ao som dos músicos convidados Alice Gross e José Martins.

Essa tarde de música e poesia fez com que 56 das 208 mulheres da penitenciária saíssem da rotina. O sarau era parte de uma surpresa programada para quatro detentas: a cerimônia de formatura do curso de capacitação vinculado ao projeto de extensão “A consolidação do balcão da cidadania: um olhar a partir da construção do acesso à justiça na comunidade Madre Pelletier”, desenvolvido na penitenciária pelo curso de Direito. A iniciativa tem a coordenação da professora Simone Schroeder e pretende contribuir para a educação de mulheres encarceradas através de um espaço educativo. Além dos alunos de Direito, o projeto envolve outros cursos por meio da integração com diferentes projetos de extensão da UniRitter, como o Projeto Cariño, do Design. Foi justamente o certificado de conclusão da capacitação feita pelo Cariño que as detentas receberam no evento.

Em meio a aplausos das 56 presas que estavam presentes, as quatro detentas subiram ao palco para receber o diploma das mãos da professora Simone; da diretora da penitenciária, Maria Clara Oliveira; e da professora do Design, Lívia Menezes. Após quatro meses de aulas, o documento recebido pelas detentas garante não só a capacitação, mas, também, a remissão da pena (redução do tempo a ser cumprido) em um terço. Os certificados foram entregues somente às presas que não faltaram nenhum dia de aula. “A gente aprendeu muitas coisas que lá fora a gente não ia aprender nunca”, constatou, emocionada, A.C.S. “Essas mulheres, que são estigmatizadas dentro da prisão, vão ser monitoras da próxima turma. É a multiplicação da extensão”, avaliou a professora Simone.

O evento também contou com falas das detentas – em meio a conversas uma delas se aproximou da equipe da UniRitter e agradeceu pela música ao vivo, algo que ela não via há muito tempo. Outra detenta, T.S., falou sobre a importância de iniciativas como os projetos do Direito e do Design. “Vamos aproveitar ao máximo quando trazem esses projetos pra gente e passar uma para as outras as nossas experiências”, disse. A diretora da penitenciária também fez uma fala durante a cerimônia. Além de agradecer às equipes dos projetos, deu um conselho para as detentas. “Aproveitem o que tem aqui pra usar no mundo lá [fora] que está aguardando vocês”, disse.

O evento ocorreu durante as duas horas destinadas aos encontros semanais do projeto de extensão do Direito que, segundo a professora Simone, tem a característica de ser “feito de mulheres para mulheres”. Durante a tarde, as detentas também apresentaram o tapete de retalhos traçado e desenvolvido durante a oficina promovida pelo curso de Design. Para a surpresa de Lívia, que durante a última visita havia deixado material para a criação de peças, as detentas apresentaram nove produtos que criaram, nesse meio tempo, sem a ajuda de monitores.

Este slideshow necessita de JavaScript.