Grupo focal define estratégias de doação para Aldeia da Fraternidade

Atividade foi desenvolvida na disciplina de Estatística e Pesquisa em Opinião Pública do curso de Relações Públicas

FOTOS | Divulgação

Os alunos do curso de Relações Públicas realizaram um grupo focal, no dia 4 de setembro, no campus Zona Sul, com objetivo de traçar estratégias de captação de doações para projetos sociais. Desenvolvida na disciplina de Estatística e Pesquisa em Opinião Pública, ministrada pelo professor Luciano Suminski, a atividade trabalhou com um cliente real: a Aldeia da Fraternidade, uma associação sem fins lucrativos que oferece novas perspectivas de vida para centenas de crianças, jovens e famílias em situação de vulnerabilidade social. O grupo focal foi mediado pelo aluno Josué Borges Brito e teve a participação de cinco doadores da ONG – Silvia e Angelino Marques, Solange Escapim, Rosaura de Paula e Maria Aparecida.

Grupo focal foi realizado em uma sala especial do campus Zona Sul

Durante o grupo, Angelino destacou que se identifica muito com a missão da Aldeia. Silvia, por sua vez, ressaltou as lições que aprende com voluntária. “Fazer parte desse projeto social traz muitas alegrias e aprendizado”, disse. Já Maria Aparecida afirmou que a Aldeia é uma oportunidade de conhecer de perto as dificuldades pelas quais passam as entidades do terceiro setor.

Alunos acompanham discussões do grupo focal

Para Eduarda Sampaio, aluna do quarto semestre de Relações Públicas, o grupo focal foi fundamental para ajudar no processo de expansão dos horizontes durante a vida acadêmica. “Poder ter esse contato com um cliente real e saber que vamos ajudar de alguma forma é uma gratificação e um aprendizado imenso”, disse.

Parceria da Aldeia da Fraternidade com a UniRitter

A relação entre a Uniritter e a Aldeia da Fraternidade surgiu no primeiro semestre do ano passado, durante a disciplina de Planejamento de Comunicação Interna, também ministrada por Suminski, quando os alunos desenvolveram um projeto de endomarketing para um cliente da agência HappyHouse. Esse cliente foi a Aldeia da Fraternidade, que aprovou o trabalho dos alunos da FACS e repetiu a dose participando, pela primeira vez, de um grupo focal. “Acredito que esse estudo vai oferecer elementos legais e profundos para que a gente possa desenvolver melhores estratégias. Com esse resultado podemos entender o melhor jeito de comunicar e convidar as pessoas a doarem, revertendo em melhorias e doações”, disse Luara Cândido, responsável pela área de projetos e mobilização de recursos na Aldeia.