Aluno de RP assessora participante do The Voice Kids

Josué Borges foi o responsável pela assessoria de comunicação da finalista Luiza Barbosa 

TEXTO | Eduarda Narciso 

Todos os dias, milhares de artistas sonham em conquistar seu espaço na mídia e no coração do público. Entretanto, para isso, apenas o esforço do próprio artista não basta: é necessário um assessor de comunicação que sonhe juntamente com o cliente e o auxilie da melhor forma para que essas metas sejam atingidas. Sendo assim, Josué Borges, estudante do quinto semestre do curso de Relações Públicas da UniRitter, conversou com a reportagem da Agência INQ a respeito de seu envolvimento na assessoria de comunicação da gaúcha Luiza Barbosa, finalista do programa The Voice Kids. Confira a entrevista na íntegra:

Como foi o processo de assessoria de comunicação desde o início até o final do programa? 
Conheci a Luiza na Estúdio Musique, escola de música do meu esposo, onde ela estuda canto. Sou o profissional de Comunicação da escola e, a partir daí, comecei a exercer o trabalho de assessoria com ela. O trabalho começou cerca de seis meses antes das audições às cegas, que foram gravadas dois meses antes de irem ao ar. Existe um processo “pré-programa” no qual precisamos trabalhar para desenvolver a imagem do artista, de que forma que ele irá aparecer nas redes sociais e de que maneira nós iremos lançar esse “personagem” para o público. Com a Luiza não foi diferente: o trabalho de comunicação teve início através produção de conteúdo para as redes sociais em conjunto com o desenvolvimento de uma identidade visual própria. Isso foi necessário para divulgá-la e, assim que ela aparecesse no programa, tudo já estivesse organizado para o que viesse a acontecer a partir desse ponto.

Como foi a experiência de ser assessor da Luiza Barbosa? 
Foi simplesmente incrível! Já havia trabalhado com assessoria de comunicação de outros artistas. Na segunda edição do The Voice Kids, fui assessor de dois participantes que também faziam parte da Estúdio Musique: o Luis Arthur Seidel, semifinalista da edição, e a Anna Lira, aprovada nas audições às cegas e que seguiu à fase das batalhas. Entretanto, a Luiza foi a única de todas as edições do programa que conseguimos, em conjunto, eu e meu esposo, levar para a final. Tudo isso só foi possível através da elaboração de um trabalho consistente, tanto técnico, relacionado aos treinos vocais, como de comunicação, relacionado à relação da Luiza com o público. Para mim, desde o momento em que começamos a trabalhar toda a parte de comunicação da Lu, antes mesmo de ela estar no programa, até a final, foi uma evolução gigantesca. Como profissional da comunicação, ser assessor dela foi algo enriquecedor.

Pode nos falar um pouco a respeito dos bastidores da final do “The Voice Kids”?
A experiência de estar no Rio de Janeiro, dentro dos estúdios da Rede Globo, foi especial e também de muito conhecimento, principalmente para mim, que trabalho na área da comunicação. O The Voice Kids possui uma estrutura que não imaginamos estando do outro lado da televisão, principalmente em questão de organização e logística. No domingo da final, entrei às 9h no estúdio e, por medidas de segurança, passamos por vários processos de triagem lá dentro. Depois dessa etapa, ficamos em um ambiente onde podíamos tirar diversas fotos, pois havia muitas atrações para que os acompanhantes pudessem aproveitar um pouco do que é o programa The Voice Kids e a Rede Globo. Há uma grande preparação antes do programa ser transmitido envolvendo a plateia, as bandas que tocam para os artistas e, principalmente, os cantores e os jurados. Uma hora antes de iniciar o programa, nós já estávamos no local onde ele acontece. Lá pudemos presenciar os últimos ajustes antes de tudo começar, incluindo passagem de som e texto e testes de vídeo. Essa percepção que tive dos bastidores até o momento em que o programa vai para a televisão é transmitido para todo o Brasil é de um engrandecimento profissional imensurável.

Quais são os principais desafios no assessoramento a um artista?
Um dos maiores desafios, sem dúvidas, é a velocidade com que os fatos acontecem. Dessa forma, há uma grande necessidade de pensar a respeito de como agir de acordo com o que aconteceu ou acontecerá. Como as coisas ocorreram muito rápidas com a Luiza em questão de mídia, a todo momento surgia uma novidade para que tanto eu como ela resolvêssemos pois, de todas as formas, quem se colocou à frente das câmeras em rede nacional foi ela. Nós tínhamos que estar preparados para todos os questionamentos e críticas que viessem a partir disso, principalmente nas redes sociais para que não fôssemos pegos de surpresa.

Na sua opinião, qual a importância da assessoria de comunicação atualmente?
Existe um mercado muito grande para profissionais de relações públicas e jornalismo trabalharem na parte de assessoria, seja de empresas ou de artistas. Dessa forma, há muitos artistas em processo de formação que precisam desenvolver sua imagem, pois hoje em dia é necessário criar uma espécie de “personagem” de acordo com a própria personalidade do artista para que o mesmo possa ser lançado para o “Show Bussines”. Assim, busco sempre trazer a essência da pessoa para que nós não criemos um personagem estereotipado, caricato. Ao invés disso, tento apurar o máximo de informações do artista envolvendo a maneira com que ele é e o que ele gosta. Hoje, no mundo virtual em que vivemos, as pessoas buscam aquilo que elas se identificam e, então, é preciso despertar curiosidade nessas pessoas e a vontade de acompanhar a vida do artista. Então nós buscamos, nesse trabalho árduo que tivemos de assessoria com a Luiza, sempre evidenciar a verdade dela e fazer com que o público se sentisse o mais próximo dela o possível. De fato, a assessoria de extrema importância, pois existem muitos artistas que não sabem como dar o primeiro passo, nem como se portar ou falar em frente a uma câmera.  Hoje em dia os artistas podem criar diferentes nichos de divulgação, não necessariamente em rede nacional. O primordial é eles estarem preparados para poderem debater, discutir e criar uma imagem dos conceitos que eles carregam dento deles para, a partir daí, o assessor poder trabalhar desenvolvendo essas peculiaridades e propagando elas o máximo possível, de maneira assertiva e clara.

Quais dicas você dá para quem deseja seguir na área da assessoria?
O que sempre digo para as pessoas que desejam seguir na assessoria é que elas precisam estar bem informadas a respeito de tudo que acontece ao redor do mundo, principalmente na área sociopolítica. Assim, o indivíduo deve pensar em estratégias e soluções envolvendo as questões diárias da sociedade como um todo. Além de trabalhar atualidades, ser assessor de comunicação exige identificar pontos pessoais no cliente, para, assim, criar a melhor estratégia de divulgação. Tudo isso precisa ser muito bem planejado para que não aconteça um conflito de comunicação, que costumamos chamar de “ruído”. Trabalhar a verdadeira identidade da pessoa e lançar ela de forma assertiva, bem planejada e de acordo com que o meio e atualidade exige, sem dúvidas, seria algo que traria muita prosperidade para um artista ou empresa que carece de assessoramento.